You are currently viewing ‘Temos de nos preparar novamente para uma guerra’, diz Barroso sobre fake news em 2022

‘Temos de nos preparar novamente para uma guerra’, diz Barroso sobre fake news em 2022

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, reforçou nesta quarta-feira 3 a importância de o Brasil fortalecer os mecanismos de combate às fake news em meio à aproximação do período eleitoral. Segundo o ministro, a internet era percebida como um ambiente em que a desinformação pode ser propagada livremente, “mas há hoje um consenso de que é necessário promover alguma regulação”.

Na avaliação de Barroso, as eleições de 2018 mudaram o padrão do cenário eleitoral no Brasil, ao retirar o protagonismo das propagandas políticas no rádio e na TV e ampliar o impacto das redes sociais e dos aplicativos de mensagens instantâneas. Ele frisou que “a legislação e o TSE não estavam preparados para lidar com essa situação, com essa realidade, que incluiu ataques contra o sistema eleitoral”.

“Em 2020, fizemos a lição de casa, aprendemos pelo menos parte da lição e estivemos preparados para uma operação de guerra contra a desinformação”, disse Barroso no evento “Fake news e eleições: como reduzir a ameaça”, promovido pela Americas Quarterly. “Eu acho que devemos, novamente, nos preparar para uma guerra”.

Na palestra, o magistrado defendeu a adoção de mecanismos de controle de conteúdo e o estabelecimento de regras de responsabilização das plataformas. “Claro, quando falamos de controle de conteúdo, temos de ter ciência da importância da liberdade de expressão para a democracia e, portanto, encontrar um equilíbrio”.

Na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes, colega de Barroso no TSE, usou o julgamento de ações contra a chapa de Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão para mandar um forte recado sobre o disparo de notícias falsas nas eleições do ano que vem. Moraes, que será o presidente da Corte a partir de agosto de 2022, declarou que os responsáveis pela difusão de fake news contra adversários no pleito terão o registro cassado e poderão até ser presos.

“Essas milícias digitais continuam se preparando para disseminar o ódio, para disseminar conspiração, medo, influenciar eleições, destruir a democracia”, afirmou Moraes na ocasião. “Se houver repetição do que foi feito em 2018, o registro será cassado. E as pessoas que assim fizerem irão para a cadeia por atentar contra as eleições e a democracia no Brasil”.

Barroso, porém, disse não ser um entusiasta do uso do Direito Criminal em assuntos ligados à liberdade de expressão.

“Meu colega estava possivelmente mencionando o cenário que enfrentamos no Brasil, com ataques muito fortemente articulados contra a democracia, pelo fechamento do STF e do Congresso, e com ataques pessoais aos ministros”, acrescentou nesta quarta. “Mas o TSE deve reforçar a proibição de mensagens em massa, especialmente contendo fake news contra o sistema eleitoral. E isso poderia levar à cassação”.

Fonte: https://www.cartacapital.com.br/politica/temos-de-nos-preparar-novamente-para-uma-guerra-diz-barroso-sobre-fake-news-em-2022/

Deixe um comentário